sábado, 27 de junho de 2009

SOMENTE OS FRACOS DESISTEM



"NÃO MORREREI, MAS VIVEREI;
E CONTAREI AS OBRAS DO SENHOR"
(Sl 118.17)
É isso mesmo! Somente os fracos desistem!
Acredito que você não é daqueles que recuam em plena batalha da vida. Você é um crente fervoroso e não se entrega em meio as lutas. O seu brado neste instante deve ser: "A alegria do Senhor é a minha força".
O salmista fala da sua intensa luta e perseguição, sofrida por causa dos seus inimigos. Ele mostra uma virtude que poucos tem, que é a "perseverança". Parece que o salmista já conhecia o ditoso provérbio em que diz: "Se te mostrares frouxo no dia da angustia, a sua força será pequena"!
Se não, presta atenção neste testemunho incontestável do próprio salmista:
"Todas as gentes me cercaram, mas no nome do Senhor as despedacei. Cercaram-me, e tornaram a cercar-me; mas no nome do Senhor eu as despedacei. Cercaram-me como abelhas: mas apagaram-se como fogo de espinhos; pois no nome do Senhor as despedacei. Com força me impeliste para me fazeres cair, mas o Senhor me ajudou"(Sl 118.10-13).
Glória a Deus! O profeta Joel profetizou dizendo:"Diga o fraco sou forte". Porque? Temos a presença infalivel do Senhor em nossas vidas. Preste atenção de que o Senhor sempre nos fortalece dizendo: "Não Temas, Eu estou contigo". Quando pensares que não tens, quando pensares que não és, quando achares que será o fim, na verdade será um novo começo!
Lembre-se que o Senhor não tem prazer naquele que recua (Hb 10.38). Pelo contrário: "Sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor"(1Co 15.58).
"E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel e dos profetas: Os quais pela fé 'venceram'reinos, praticaram a justiça, alcançaram as promessas, fecharam as bocas dos leões, apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fugida os exércitos dos estranhos" (Hb 11.32-33).
Gideão não se mostrou fraco quando estava malhando trigo no lagar. Sabe porque? O próprio Senhor lhe disse: "Vai nesta tua força, varão valoroso, o Senhor é contigo!"
Que expressão magnifica! Que reconhecimento glorioso! Porque? Enquanto muitos de seus irmãos, estavam se escondendo em cavernas nas montanhas, Gideão batalhava pelos seus.
Gideão era um homem que poderia dizer como Neemias: "Um homem como eu fugiria?". De forma alguma. Por esta razão ele foi a pessoa escolhida por Deus que livraria uma nação das mãos de seus inimigos, os midianitas. Aleluia!
Como você se sente agora? Um fraco, lembre-se: "O meu poder se aperfeiçoa na fraqueza" Disse o Senhor a Paulo. Se sente forte?, lembre-se: "O Senhor está comigo, não temerei o que possa me fazer o homem".
por
Edson Luís Lunardelli, pastor

quinta-feira, 18 de junho de 2009


"Eu de muito boa vontade gastarei, e me deixarei gastar pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado"(2Co 12.15)

O apostolo Paulo demonstrou não somente em palavras, mas em ações, que era um Líder, e que se dobrava e desdobrava pela obra do Senhor, especificamente pela Igreja.

Neste verso encontramos seu despreendimento: "Eu de muito boa vontade gastarei..."

Vontade expressa desejo, ânimo, interesse. Paulo era favorável a se gastar, ou seja: consumir-se pela Igreja do Senhor, a noiva do cordeiro a ponto de revelar aos obreiros de Éfeso dizendo: "E agora, eis que, ligado eu pelo espírito, vou para Jerusalém, não sabendo o que lá me há de acontecer; senão o que o Espírito Santo de cidade em cidade me revela, dizendo que me esperam prisões e tribulações. Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus"(At 20.22-24). Aleluia!

Paulo tinha alegria em fazer isso e queria cumprir seu ministério com alegria. Isso é convicção!

Ainda diz: "... e me deixarei gastar pelas vossas almas": Entrega! Renuncia! Esta é a lição que Paulo nos dá. Ele se entregou totalmente ao Senhor e pelo Senhor. Estava disposto a sofrer agruras pelo nome de Jesus e pela vida espiritual da Igreja. Estava ciente que corria o risco de ser menos amado por causa do seu zelo para com a obra de Deus, mas, sua convicção em relação a isso era certa: Cada dia que se passar eu vos amarei mais e mais- dizia Paulo.

À igreja de Corinto, ele expressa seu sofrimento por causa do Evangelho (Leia 2Co 11.23-28). Paulo chega a dizer: "Além das coisas exteriores, me oprime cada dia o cuidado de todas as igrejas". O peso da responsabilidade que carregava em seus ombros era tido como opressão, não no sentido de mal, mas para Paulo era "forte pressão sobre ele"o seu zelo pela Igreja.

Uma vez ele chegou a bradar: "Oxalá me suportásseis um pouco na minha loucura! Suportai-me, porém, ainda. Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo"(2Co 11.1-2). Esse é um exemplo de um líder que se desdobrava pela igreja!

E convicto disso, Paulo no final de sua carreira diz a Timóteo: "... o tempo da minha partida está próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé... O Senhor assistiu-me e fortaleceu-me, para que por mim fosse cumprida a pregação, e todos os gentios, a ouvissem: e fiquei livre da boca do leão... E o Senhor me livrará de toda a má obra, e guardar-me-á para o seu reino celestial" (2Tm 4.6-7; 18-19).

por

Edson Luís Lunardelli, Pastor

UM ASSUNTO INTERESSANTE

Achei interessante este comentário sobre o "Hino de Adoração" Faz Um Milagre Em Mim interpretado por Regis Danese. Este comentário foi escrito pelo Pastor Ciro Sanches Zibordi e vale a pena meditar.

Alguns internautas têm me instigado a analisar a composição “Faz um milagre em mim”. Eu vinha evitando fazer isso, a fim de não provocar a ira dos fãs do cantor que interpreta esse hit “evangélico”. Afinal, vivemos em uma época em que dar uma opinião à luz da Bíblia desperta a fúria daqueles que dizem ser servos de Deus, mas são, na verdade, fãs, fanáticos e cristãos nominais.Resolvi, pois, atender os irmãos que desejam obter um esclarecimento quanto ao conteúdo da canção mais cantada pelo povo evangélico na atualidade, a qual começa assim: “Como Zaqueu, eu quero subir o mais alto que eu puder”.Primeira pergunta para reflexão: Zaqueu, quando subiu na figueira, era um seguidor de Jesus, um verdadeiro adorador? Não. Ele era um chefe dos publicanos, desobediente a Deus e corrupto (Lc 19.1-10). Nesse caso, como um crente em Jesus Cristo, liberto do poder do pecado, pode ainda desejar ser como Zaqueu, antes de seu maravilhoso encontro com Jesus?Segunda pergunta para reflexão: Por que Zaqueu subiu naquela árvore? Ele estava sedento por salvação? Queria, naquele momento, ter comunhão com Jesus? Não. A Palavra de Deus afirma: “E, tendo Jesus entrado em Jericó, ia passando. E eis que havia ali um varão chamado Zaqueu; e era este chefe dos publicanos, e era rico. E procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura” (Lc 19.1-3). Ele não subiu na figueira porque estava desejoso de ter comunhão com Jesus, mas porque estava curioso para vê-lo.Terceira pergunta para reflexão: O verdadeiro adorador deve agir como Zaqueu, ou como o salmista, que, ao demonstrar o seu desejo de estar na presença de Deus, afirmou: “Como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus! A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo: quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus?” (Sl 42.1,2)? Será que o pecador e enganador Zaqueu tinha a mesma sede do salmista? Por que um verdadeiro adorador desejaria ser como Zaqueu?Mas o hit “evangélico” continua: “Só pra te ver, olhar para ti e chamar sua atenção para mim”. Outra pergunta para reflexão: Será que precisamos subir o mais alto que pudermos para chamar a atenção do Senhor? Zaqueu, segundo a Bíblia, subiu na figueira por curiosidade. Mas Jesus, olhando para cima, lhe disse: “Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa” (Lc 19.5). Observe que não foi Zaqueu quem chamou a atenção de Jesus. Foi o Senhor quem olhou para cima e viu aquele pecador perdido e atentou para ele (cf. Mt 9.36).A atitude de Zaqueu que nos serve de exemplo não foi o subir, e sim o descer, para atender o chamamento de Jesus: “E, apressando-se, desceu, e recebeu-o gostoso” (Lc 19.6). Por conseguinte, pergunto: O adorador, salvo, transformado, precisa subir para chamar a atenção de Jesus? Não. Na verdade, o Senhor está com o contrito e abatido de espírito (Is 57.15). Espiritualmente falando, Ele atenta para quem desce, e não para quem sobe (Sl 138.6; Lc 3.30).Mais uma pergunta para reflexão: Se a atitude que realmente recebe destaque, na história de Zaqueu, foi a sua descida, por que a canção enfatiza a sua subida? O mais lógico não seria cantar “Como Zaqueu, eu quero descer”? Reflitamos. Afinal, como diz uma frase que circula na grande rede, o Senhor Jesus morreu para tirar os nossos pecados, e não a nossa inteligência.A composição não é de todo condenável, pois o adorador que se preza deve mesmo cantar: “Eu preciso de ti, Senhor. Eu preciso de ti, ó Pai. Sou pequeno demais, me dá a tua paz”. Mas, a frase seguinte provoca outra pergunta para reflexão: “Largo tudo pra te seguir”. Estamos mesmo dispostos a largar tudo para seguirmos ao Senhor? E mais: É preciso mesmo largar tudo para segui-lo?O que o Senhor Jesus nos ensina, em sua Palavra? Em Mateus 16.24, Ele disse: “Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me”. Renunciar não é, necessariamente, abandonar, largar, mas pôr em segundo plano. A própria família pode ser um obstáculo para um adorador. Deve ele, nesse caso, largá-la, abandoná-la? Claro que não! Renúncia equivale a priorizar uma coisa em detrimento de outra.Não precisamos largar a família, o emprego, etc. para seguir o Senhor! Mas precisamos considerar essas coisas secundárias ante a relevância de priorizar a comunhão com Jesus (Mt 10.27). Nesta última passagem vemos que o adorador deve amar prioritariamente o Senhor Jesus, mas sem abandonar tudo para segui-lo! Não confundamos renúncia com abandono. O que devemos largar para seguir a Jesus é a vida de pecado, e não tudo.A canção continua: “Entra na minha casa. Entra na minha vida”. O compositor se refere a Zaqueu, mas não foi este quem convidou o Senhor para entrar em sua casa. Na verdade, foi Jesus quem lhe disse: “Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa” (Lc 19.5). Nota-se, pois, que esta parte da canção não é essencialmente cristocêntrica, e sim antropocêntrica. Mais uma pergunta para reflexão: O hit em apreço prioriza a obra que Jesus faz na vida do pecador, ou dá mais atenção ao que o homem, o ser humano, faz para conseguir o que deseja? A canção enfatiza a Ajuda do Alto, ou a autoajuda?Outra pergunta: Um verdadeiro adorador, um servo de Deus, alguém que louva a Jesus de verdade, que canta louvores ao seu nome, não é ainda uma habitação do Senhor? Por que pedir a Ele que entre em nossa casa e em nossa vida, se já somos moradas de Deus (Jo 14.23; 1 Co 6.19,20)?A parte mais contestada da composição em apreço sinceramente não me incomoda muito: “Mexe com minha estrutura. Sara todas as feridas”. Que estrutura seria essa? No Salmo 103.14 está escrito: “... ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó”. Deus, é claro, conhece-nos profundamente. Ele conhece a totalidade do ser humano: espírito, alma e corpo (1 Ts 5.23; Hb 4.12). Creio que o compositor tomou como base o que aconteceu com Zaqueu. O seu encontro com o Senhor mudou a sua vida por completo, “mexeu com a sua estrutura” (Lc 19.7-10). Deus faz isso na vida do pecador, no momento da conversão, e continua a transformar os salvos, a cada dia (2 Co 3.18).Quanto a sarar feridas, o Senhor Jesus de fato nos cura interiormente. Mas não pense que estou aqui defendendo a falsa cura interior, associada a regressão psicológica, maldição hereditária, etc. Não! O Senhor Jesus, mediante a Palavra de Deus e a ação do Espírito Santo, cura os quebrantados do coração, dando-lhes uma nova vida (Lc 4.18; 2 Co 5.17).Diz ainda a canção: “Me ensina a ter santidade. Quero amar somente a ti. Porque o Senhor é o meu bem maior”. Sendo honesto e retendo o que é bom na composição (1 Ts 5.21), Deus, a cada dia, nos ensina a ser santos, em sua Palavra (Hb 12.14; 1 Pe 1.15-25). Além disso, Ele é, sem dúvidas, o que temos de mais precioso mesmo e, por isso, devemos amá-lo acima de todas as coisas (2 Co 4.7; Lc 10.27).Quanto à última frase “Faz um milagre em mim”, o compositor comete o mesmo erro de português constante da campanha de publicidade da Embratel: “Faz um 21”. Na verdade, no caso da canção o correto seria: “Faze um milagre em mim”. E, no caso da Embratel: “Faça um 21”. Quer saber por quê? Aí já é querer demais, não é? Investigue, pesquise, caro internauta, principalmente se você é um editor de blog. Conhecer o vernáculo é uma necessidade de quem lida com textos.Diante do exposto, que os pecadores, à semelhança de Zaqueu, desçam, humilhem-se, a fim de receberem a gloriosa salvação em Cristo (Lc 18.9-14). E quanto a nós, os salvos, os verdadeiros adoradores, em vez de subirmos o mais alto que pudermos, que também desçamos a cada dia, humilhando-nos debaixo da potente mão de Deus (1 Pe 5.6), a fim de que Ele nos ouça e nos abençoe (2 Cr 7.14,15).

Amém?

por Ciro Sanches Zibordi

terça-feira, 16 de junho de 2009

DÊ UM NOME PARA O NOSSO INFORMATIVO BIMESTRAL

?Permitindo Deus, estaremos criando um Informativo Bimestral do nosso Setor de trabalho: Setor 52 - Cocaia. Para isso contamos com a sua cooperação para votar nos nomes sugeridos abaixo:

1 - Informativo Betel (casa de Deus)
2 - Informativo Efrata
3 - Informativo Hefzibá (o Senhor se agrada de ti)
4 - Informativo Vida Abundante
5 - Informativo Fortaleza

Você tem 20 dias para deixar o seu voto em nossa enquete: "Como deve se chamar o nosso INFORMATIVO BIMESTRAL?" no lado direito do blog.

Não deixe de dar o seu voto em nosso Livre Escolha.

Deus Abençoe

terça-feira, 9 de junho de 2009

MENSAGENS QUE VIVIFICAM: "UM HOMEM ESCOLHIDO"


FASES NA VIDA DE UM ESCOLHIDO DE DEUS
"Então, em visão falaste do teu santo e disseste: Socorri um que é esforçado; exaltei a um eleito do povo. Achei a Davi, meu servo, com o meu santo óleo o ungi" (Sl 89.19-20)
Considere primeiramente a onisciência de Deus; antes que Davi soubesse, Deus já o havia escolhido para ser rei em Israel, entrando para o marco da história do povo hebreu.
Na desobediência de Saul, Samuel declara que Deus estava agora a procura de alguém que lhe agradasse, e este seria Davi (1Sm 13.14).
Ainda na desobediência de Saul, mais uma vez confirma Samuel, que Deus escolhia um melhor do que Saul (1Sm 15.28)
E na seqüência Deus ordena Samuel ungir um dos filhos de Josué a rei (1Sm 16.1)

I – FASE DA PROMESSA FEITA (1Sm 16.13)
Deus fala com a pessoa certa. Dentre todos irmãos de Davi, ele era o único que estava empenhado no trabalho, e dá-se entender que ele nem pensava em algum status na sua vida.
Exatamente a ele, foi feito uma promessa, disse Samuel: “Não nos assentaremos a mesa enquanto ele aqui não estiver” – Ele era o escolhido por Deus.

II – FASE DA PREPARAÇÃO PARA O CUMPRIMENTO DA PROMESSA (1Sm 16.18)
A partir daquele momento em que Davi fora ungido, o espírito do Senhor apoderou-se de Davi, e então começa uma nova fase na vida deste jovem, é a fase de novas experiências, das quais, Deus permite para que sejamos preparados. Podemos chamá-la de “o período da escola de Deus”. Aqui vemos:
1- A disposição de Davi em obedecer, deixando de ser pastor de ovelhas, para ser pajem de armas do rei Saul, e na oportunidade ser usado por Deus para uma obra especifica (1Sm 16.21-23)
2- A disposição, valentia e coragem de Davi, voluntariamente, de enfrentar o inimigo que afrontava o povo de Israel-Golias (1Sm 17.37).
3- A prudência de Davi na corte real (1Sm 18.5-6), a ponto de ser aceita por todo o povo de Israel e principalmente pelos servos do rei Saul (“ele foi bem sucedido”) (1Sm 18.14-16).
4- O respeito de Davi para com o ungido do Senhor (1Sm 24 e 26).

III – A FASE DO CUMPRIMENTO DA PROMESSA (2Sm 5.14)
Depois da morte de Saul, Davi foi ungido rei primeiramente sobre Judá sob a orientação de Deus (2Sm 2.4), e em seguida proclamado rei sobre todo Israel, cumprindo-se a promessa Deus na vida deste homem.

Aceite o que Deus tem para sua vida. Passe pelas experiências que o Senhor permite a sua vida para seres fortalecido e preparado para a realização da obra do Senhor.

sábado, 6 de junho de 2009

"ÉTICA" - PROCURA APRESENTAR-TE COMO OBREIRO

PREGADOR,

Será que você já se deparou com uma situação como esta que está nesta figura em sua vida?
Aqui vão alguns conselhos para aqueles que pregam ou para aqueles que almejam ser um.
O pregador não deve, de forma alguma, abusar do púlpito, na igreja ou onde quer que esteja; o púlpito não é lugar para censurar os defeitos de terceiros, defender-se de seus adversários, ou mesmo contra-atacar com indiretas aqueles com quem mantém diferença. É importante considerar que cada vez que um ministro sobe ao púlpito, os olhares que se lhe voltam passam em revista, não só as suas palavras, mas a sua voz, e sua expressão, a sua movimentação, não ficando indiferente todo seu modo de vestir.
Lembre-se da orientação e conselho do apóstolo Paulo: "Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade"(1Tm 2.15).
É importante que o pregador observe algumas regras e atitudes próprias que a ética nos ensina na conduta do mensageiro no púlpito, como:
  1. Pregar gritando o tempo todo, sem se aperceber que está diante de um microfone;
  2. Bater o pé no chão com força repetidamente e dar murros no púlpito com estardalhaço;
  3. Gesticular demasiadamente, insinuando às vezes gírias ou imoralidade, e ás vezes pular, sem se dar conta disso; o corpo deve ser naturalmente dosado por gestos conforme a dinâmica da prédica;
  4. Falar de olhos fechados ou arregalados, bem como olhar de modo fixo para cima ou para o piso como se tivesse perdido algo, e com medo de encarar o auditório. O certo é que os olhos deve acompanhar o que se fala, pois as vezes falam mais claro que as palavras, e ajudam o pregador a sentir o efeito da mensagem;
  5. Evite pregar com as mãos nos bolsos; ajeitando as calças; com a gravata ou o colarinho desajeitado; Deve evitar imitar os outros, mesmo que seja nos gestos;
  6. Cuidado com o hábito de preencher as lacunas de uma menagem com "aleluia", "glória a Deus", "louvado seja o nome do Senhor", etc;
  7. Molhar o dedo na lingua para virar as páginas da Bíblia, ou soprá-las com a mesma finalidade;
  8. Coçar-se de modo incoveniente e limpar as narinas, quando no púlpito, ou mesmo fazer cacoetes ou tiques mímicos;
  9. Fazer a leitura bíblica que anunciou e não mais voltar a ela;
  10. Não conversar no púlpito, senão o estritamente necessário, e não despachar o expediente no horário do culto;
  11. O pastor deve chegar cedo à casa do Senhor Deus, porque, assim fazendo, dará bom exemplo ao rebanho e não comtemplará o semblante do povo com sinais de impaciência e cansaço;
  12. As reuniões devem ter horário para começar e horário para terminar. (ETICA PASTORAL-Nemuel Kessler)

"Certamente isso e mais um pouco, alguém já observou, em alguns lugares"

sexta-feira, 5 de junho de 2009

DVD DE LOUVOR E MENSAGENS


ADQUIRA JÁ O SEU!

FESTIVIDADE DO DIA 1º DE MAIO


9º ANIVERSÁRIO DO SETOR 52 - COCAIA


PRELETORES:
Pr.Jonas de Almeida(Campo Limpo Paulista)
Pr.Henrique (Atibaia)
Pr.Edson Lunardelli (São Paulo)
Pr Eliezer Borges (São Paulo)

Participação Especial: Cantor Alceu Pires

APOIO: PROJETO VENCEDOR


terça-feira, 2 de junho de 2009

"SUPOSTOS" - DONOS DE IGREJAS



É engraçado? Parece ser. Porém, é impressionante que existam obreiros nestas condições.
Essa figura é ilustrativa, mas, quando olhei para ela, me veio à memória este tema: "Supostos Donos de Igrejas".
Lembrei-me de quando o Apostolo João, em sua Terceira Epístola, a partir do versículo 9, fala de um destes "supostos donos de igreja". Seu nome era Diótrefes.
Este sujeito certamente causou grandes males para a Igreja naqueles dias. Por quê? Disse João: "Tenho escrito à Igreja: mas, Diótrefes, que procura ter entre eles o primado, não nos recebe"(1Jo 9).
Ele queria de todo jeito ser o primeiro, ser o dono da igreja. Buscava intensamente a primazia, querendo controlar a Igreja local de sua comunidade, sendo inteiramente insubmisso, ao seu Líder Espiritual, o apostolo João.
Subitamente, Diótrefes, se recusava relacionar-se com outros lideres. Recusava-se em receber quaisquer dos ensinadores.
A igreja pertence ao Senhor Jesus. Quando falamos "Igreja", não falamos do templo em sí, composto de quatro paredes, mas, dos servos de Deus, ovelhas do rebanho de Jesus.
Disse Jesus: "Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido". Jesus chega a chamar estes supostos donos de igrejas de "mercenário": "... o mercenário, que não é pastor, de quem não são as ovelhas ...". Observe que o Senhor Jesus declarou enfaticamente que este rebanho de ovelhas lhe pertence, porque só Jesus dá a vida pelas ovelhas (Igreja). Aleluia!
"A Igreja tem um Pastor. Um Pastor não tem Igreja"
É Deus, que desde a muito tempo, fez uma promessa, que daria ao Seu povo, pastores segundo seu coração (Jr 3.15).
Aqueles que tem a honra de ser pastor de um rebanho, deve acima de tudo agradecer a Deus por este privilégio.
O "mercenário" faz tudo por dinheiro e sem dinheiro nada faz. Não tem coragem de enfrentar os lobos que querem devorar as ovelhas.
O zelo e o cuidado de Davi pelas ovelhas do rebanho do seu pai é um exemplo eficaz a todos nós. O seu testemunho é verdadeiro:
1 - Quando se ausentava, deixava as ovelhas aos cuidados de um guarda (1Sm 17.20);
2 - Não era vaidoso. Tinha poucas ovelhas, mas era grande seu zelo por elas (1Sm 17.28);
3 - Defendia aquelas poucas ovelhas com coragem (1Sm 17.34-36).
MEDITE:
O verdadeiro Pastor conhece o "estado de suas ovelhas" (Pv 27.23).
O verdadeiro Pastor põe seu coração sobre as ovelhas (Pv 27.23).
O verdadeiro Pastor chama suas ovelhas pelo nome (Jo 10.3).
O verdadeiro Pastor vai adiante das ovelhas (Jo 10.4).
O verdadeiro Pastor é conhecido por suas ovelhas (Jo 10.4, 14).
O verdadeiro Pastor agrega mais ovelhas ao seu rebanho (Jo 10.16).
Vale a pena considerar as palavras do Apostolo Pedro:
"Apascentai o "rebanho de Deus" que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas volunatariamente; nem por torpe ganancia, mas de ânimo pronto; nem como tendo "dominio" sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho" (1Pe 5.2-3).
O rebanho é de Deus, pertence a Ele. A responsabilidade de apascentar este rebanho de Deus é daqueles que foram chamados e escolhidos para esse fim. Daqueles que foram "escolhidos" e "chamados" para pastorear devem servir de exemplo para o rebanho.
A ordem para as ovelhas é: "Lembrai-vos dos vossos "pastores", que vos falaram a palavra de Deus (alimento), a fé dos quais imitai, atentando para sua maneira de viver (exemplo) (Hb 13.7).
MEDITE: (Exodo 21.4) - Substitua a palavra "mulher" para "igreja":
"Se seu "senhor"(Deus) lhe houver dado uma "mulher" (igreja), e ela lhe houver dado filhos e filhas, a "mulher" (igreja) e seus filhos serão de seu "senhor"(Deus), e ele sairá só com seu corpo. -grifo meu-
Ninguém tem o direito de dizer: "Esta Igreja é minha". O templo ou o imóvel sim, mas a igreja que é o corpo de Cristo, não.


EDSON LUÍS LUNARDELLI
pastor