sexta-feira, 2 de outubro de 2009

LIÇÕES BÍBLICAS: 2º Trimestre de 1984 comentado pelo Pastor Lowrence Olson



MARIA E AS BODAS DE CANÁ




VERDADE PRÁTICA


"Deus manifetsa o seu poder em qualquer lugar e em qualquer circunstância, em resposta à obediência e à fé"

TEXTO AUREO

"Sua mãe disse aos serventes: Fazei tudo quanto ele vos disser" (Jo 2.5)


COMENTÁRIO

Interessa muitissimo conhecer o que a Biblia diz acerca de Maria, a mãe de Jesus, embora a Igreja Católica Romana revista-a de virtudes e títulos divinos sem fundamento escrituristico, nós não ousamos fazê-la inferior ao que realmente foi. Ela foi obediente serva de Deus, um instrumento nas suas mãos, digna da nossa gratidão e honra, porém com uma reserva: que ela permaneça no lugar em que ela mesma se colocou diante de Deus. Ela mesma reconheceu Deus como seu salvador. Ela congregou-se com os quase 120 que receberam o batismo com Espirito Santo no dia de Pentecoste.

I - UMA OCASIÃO DE ALEGRIA
1.O convite aceito.
Chegando a Caná, uma pequena vila da Galiléia, Jesus, seus discipulos, e sua mãe foram convidados a assistir as bodas, isto é, uma celebração de casamento, convite que aceitaram. A presença de Jesus sanciona e abençoa o casamento. A união de marido e esposa ilustra o poder e beleza do mútuo amor de Cristo e sua Igreja.
A Bíblia condena aqueles que proíbem o matrimonio (1Tm 4.3). A presença de Jesus no lar garantirá a felicidade deste.
Observa-se também, que Jesus não era qual eremita, sempre, ausente das reuniões sociais e da vivencia com o povo, como o faziam hipocritamente os fariseus. Nunca, no seu convivio social, Jesus se contaminou com os pecados do povo, mas os fariseus, que se separavam de todos, abrigavam muitos pecados em seus corações.

2. A alegre celebração.
O jovem fez muito bem em convidar a Jesus para essa ocasião de alegria. Muitos só o convidam quando adoecem ou enfrentam uma grande luta.
Embora Jesus seja conhecido como o "homem de dores", que vivia à sombra da cruz, nota-se que Ele era um homem alegre; que frequentemente dizia "tende bom animo".
A alegria do crente nao se deve limitar as ocasioes sociais, mas sim deve ser a expressão natural e constante do coração lavado no sangue de Jesus; da obediencia a sua Palavra que nos exorta: "Louvem ao Senhor pela sua bondade, e pelas suas maravilhas para com os filhos dos homens".

II - A ALEGRIA AMEAÇADA
1.A angustia de Maria.
No decorrer da festa, faltou vinho. Como esse triste fato simboliza a vida neste mundo! Pouco dura a alegria da vida presente, como notou Salomão, que tudo havia experimentado: Vaidade de vaidade! é tudo vaidade. Que proveito tem o homem em trabalhar para o vento?.
Maria relatou a Jesus o vexame da falta de vinho, esperando que Ele tomasse uma providencia no caso. Certamente se lembrou das profecias a seu respeito.

2. A sugestão rejeitada.
A linguagem empregada por Jesus não denota desrespeito a sua mãe, apenas uma mudança de relacionamento. Ela demonstra que Ele não estava mais sob as ordens da mãe, Ele deixou assim bem claro qu, ao operar milagres, ou em qualquer outra area do seu ministério, em vez de ser filho de Maria, Ele é acima de tudo "filho de Deus", obediente exclusivamente às suas ordens.

3. A vitória da humildade e da fé.
Como fez a mulher sirofenicia, MAria, não levou a mal a observação de Jesus, que, também não teve por alvo afetar-lhe a fé. Antes ela demonstrou rara humildade, sujeitando- se à sua opinião, bem como revelou profundo dircesnimento espiritual. Sua fé lançou mão da palavra: Ainda não é chegada a minha hora".

III - A PROVIDENCIA MILAGROSA
1. O milagre operado.
A Biblia não revela a maneira pela qual Jesus transformou a agua em vinho. As talhas eram usadas para guardar agua, portanto, não era possivel que tivessem o gosto do vinho. A falto do vinho foi inesperada, portanto, ninguem poderia ter praticado um arranjo qualquer ou pseudo-milagre. As talhas continham ao todo cerca de 400 a 600 litros. Seria impossivel algue, trazer tanto vinho sem ser observado. Oas servos encheram até em cima; assim seria impossivel introduzir outra substancia. O milagre foi o resultado puro e simples da obra criadora de Jesus, o mesmo que o criou a videira. Ele tinha poder para criar também o fruto da videira.

2. A qualidade superior.
Tudo o que Jesus faz é excelente! Ficaram eles embriagados com esse vinho? Absolutamente! Foi o suco de uva da melhor qualidade, e não vinho forte, fermentado pelas seguintes razões: Jesus não teria sancionado uma festividade que se transformasse depois em orgia. Sendo alcool produto de decomposição, como poderia o vinho fermentado servir de ilustração do poder criador de Jesus? Ele bem conhecia passagens da Biblia como: Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo.
A palavra do mestre-sala indica que desconhecia a fonte do novo vinho, como de fato o mundo não sabe donde procede a nossa alegria. O mundo apresenta primeiro o que tem de melhor, e issso logo se acaba. Mas Cristo reserva o "bom vinho" para o fim.



Pastor Lowrence Olson