terça-feira, 11 de agosto de 2009

DESENVOLVENDO UM RELACIONAMENTO SÁDIO ENTRE OS MEMBROS DO CORPO




“Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa e que não haja entre vós dissenssões; antes, sejais unidos num mesmo sentido e parecer” (1Co 1.10)



Quando o apostolo Paulo escreveu a carta a Igreja de Corinto, nota-se sua preocupação de a igreja estar unida.
Porque “união” é uma ação coletiva, tendente a um fim único. A expressão “a união faz a força”, é neste sentido que unidos podemos realizar muitos propósitos, os quais seriam inatingíveis por ação isolada de cada um.
“União é uma forma de fusão parcial de pessoas, que conservando a própria individualidade e uma relativa autonomia, dentro de uma limitação de direitos, convergem para um objetivo comum”. No caso da igreja, ela é comparada a um corpo e cada cristão é um membro deste (1Co 12.12).

I – A RENUNCIA
Todo corpo tem que ter um objetivo, um ideal a ser alcançado, e o nosso objetivo é o céu, isto é, precisamos ter consciência de que iremos morar em um mesmo lugar, e para isso precisamos estar inteirado e motivado no alcance deste objetivo.
Como membro deste corpo é fundamental que cada um de nós desenvolva: “posturas e atitudes de cooperação e participação” para um bom relacionamento, pois é impossível a existência de uma equipe do “eu” sozinho.
Muitas vezes significa abrir mão de um objetivo individual em detrimento do objetivo deste corpo, e para que isto aconteça, algumas atitudes têm que estar presentes o tempo todo nas relações interpessoais.

II – ATITUDES NECESSÁRIAS
1) Flexibilidade – quem faz parte deste corpo deve desenvolver sua sensibilidade para saber contornar situações imprevistas, ou seja, precisa adaptar seu comportamento aos diferentes momentos do relacionamento. Isto não é ser hipócrita. Ser flexível não significa perder a personalidade, mas sim adapta-la para o alcance de um objetivo maior.
Também não quer dizer que não temos as vezes de resolver problemas de relacionamento, como diz a Bíblia em (Lc 17.3-4).
2) Empatia – (Jô 6.14) – é a capacidade de colocar-se emocionalmente no lugar do outro para compreendê-lo melhor.
Não haverá empatia no relacionamento de cada membro se suas atitudes parecem pensar: “desculpe, mas seus problemas e sentimentos não me dizem respeito, resolva os seus que eu resolvo os meus”. Quando falamos de empatia parece-nos fácil de ser praticado, mas não é!
Lembremo-nos que o ser humano é exclusivo por natureza, por isso, é necessário muita sensibilidade e desprendimento de espírito, e acima de tudo ter o amor de Deus, derramado em nosso coração, para realmente querer entender o outro.
3) Autocrítica – adotar uma postura de maturidade, de questionamentos das suas certezas e verdades, aceitando suas limitações, mas voltando-se para o desenvolvimento pessoal, é saber fazer uma autocrítica.
Quando refletimos, nos conhecemos mais, e quanto mais nos aceitarmos, mais próximo estaremos do caminho do crescimento, porque aí saberemos o que fazer para melhorarmos pessoalmente.
4) Comunicação – (Rm 10.14-15) – é essencial entender que a comunicação é um processo bilateral, de ida e de volta.
Se os membros deste corpo não se comunicam adequadamente, fica difícil deste corpo progredir, porque ninguém vai tomar conhecimento de suas necessidades. (1Co 12.26)
“Toda a função desempenhada neste corpo é revestida de uma importância imprescindível” (1Co 12.22-25)
O dia que uma função deixa de ser imprescindível, o corpo fica defeituoso, por isso todos tem sua razão de existir.
EXEMPLO: Imaginemos um restaurante, quem é mais importante? Se você respondeu o cozinheiro não deixa de estar certo. Porém o restaurante pode sobreviver só com o cozinheiro? Claro que não. É necessário um ou mais garçons para atender o cliente. O cliente por sua vez exige um ambiente limpo e agradável daí a importância da faxineira também que não deixa de ter o seu grau de responsabilidade. E quem vai lavar as panelas? Ai precisa do ajudante de cozinha, e daí por diante, todos são importantes. Todos precisam fazer a sua parte da melhor maneira possível, com vontade, interesse, motivação e predisposição.

III – ÉTICA E POSTURA
Todo relacionamento envolve ética e postura, e agir eticamente sempre foi e será uma decisão pessoal. Porém para o cristão é indispensável pois supõe uma boa formação de consciência.
Uma vez que você tenha se despertado para o assunto, mais vezes tenderão a ser considerado em suas decisões, num processo permanente, e sem fim. Estamos sujeitos a deslizes, mas sempre é tempo de repensar e recomeçar.

COMO AGIR ÉTICAMENTE NO RELACIONAMENTO?

1) Cumpra suas promessas – mantenha seus planos;
2) Fale com as pessoas e não delas;
3) Admita seus erros. Não tente racionaliza-los, e nem culpe outras pessoas por seus erros;
4) Não julgue baseando-se em suposições, trabalhe com base em fatos;
5) Não espalhe boatos, e nem participe de intrigas (Sl 1.1)
6) Não faça observações depreciativas a respeito de pessoas ausentes;
7) Não critique uma pessoa na frente de outras, ao não ser quando a situação exige para o bem daquele que está sendo criticado;
8) Não fale negativamente de seu irmão, da congregação, etc...
9) Não fale em publico sobre os desacordos com sua família, seus amigos, etc...
10) Defenda os outros contra ataques injustos (1Sm 20.30-32)
11) Não finja que as idéias dos outros são suas; nem aceite créditos pelas realizações de outras pessoas. Baseie seu progresso em seu próprio desempenho.
12) Explique as coisas de forma aberta e honesta não mantenha nada em segredo.
13) Não adie decisões desagradáveis, reprimendas ou más noticias. Seja afável, breve e direto, mas com privacidade.

A ética além de ser individual, qualquer decisão ética tem por trás um conjunto de valores fundamentais. Muitas dessas virtudes nasceram no mundo antigo e continuam validas até o dia de hoje. Eis algumas das principais:

a) Honestidade – seja honesto em qualquer situação, pois esta lhe garantirá credibilidade;
b) Coragem – tenha coragem para assumir suas decisões;
c) Tolerância – seja tolerante e flexível – ouça as pessoas e avalie as situações sem julgá-las antes;
d) Integridade – seja integro – aja de acordo com seus princípios, mesmo nos momentos obscuros;
e) Humildade – seja humilde – só assim se consegue ouvir o que os outros tem a dizer.



por Edson Luís Lunardelli
pastor